domingo, 22 de maio de 2016

Pedalada do centro de Viamão(minha casa) até Itapuã(entrada).

Viamão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. 

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição.

No século XVIII a região do atual estado do Rio Grande do Sul deixou de ser somente uma zona de passagem entre Laguna e aColônia do Sacramento (atual cidade de Colônia no Uruguai). Devido à farta presença do gado vacum trazido pelos jesuítas em 1680 às Missões, que já se havia espalhado pelo Continente de São Pedro, vários colonizadores se fixaram nas terras propícias à pecuáriae ao plantio.[6]
Os chamados Campos de Viamão abrangiam uma imensa área no nordeste do atual Rio Grande do Sul. Os tais campos correspondiam às terras situadas ao sul do rio Mampituba, tendo ao leste o oceano Atlântico e a oeste e a sul a baliza fluvial do Guaíba e da lagoa dos Patos. Para os paulistas e lagunistas que exploraram o Rio Grande a partir do "Caminho da Praia", os campos eram todas as planícies despovoadas à margem esquerda do Rio de São Pedro. Nessa região se estabeleceram os mais antigos povoadores do Continente, que inicialmente povoaram seus campos de animais, para só depois trazerem suas famílias. Posteriormente, com o desenvolvimento populacional, foi criada a freguesia de Viamão (1747), desmembrada de Laguna. A freguesia de Viamão deu origem, nas décadas seguintes, a diversas outras freguesias, como Triunfo (1756), Santo Antônio da Patrulha (1763) e Porto Alegre (1772), entre outras. [7]
No ano de 1725, Cosme da Silveira, filho de António Silveira de Ávila, natural do Conselho da Calhetailha de São JorgeAçoresPortugalCapitão-mor da referida localidade da Calheta, na ilha de São Jorge, integrou a frota de João de Magalhães, nomeado capitão pelo seu sogro Francisco de Brito Peixoto. Instalou-se nas cercanias do atual município de Viamão. Outro marco foi a chegada e fixação de residência de Francisco Carvalho da Cunha, em 1741, no sítio Estância Grande, onde foi erguida a capela da Nossa Senhora da Conceição.[6]
A partir dos primeiros colonizadores, a chegada dos açorianos deu o impulso definitivo no povoamento da região. Em 1747 foi elevada à categoria de freguesia. Com a invasão da cidade do Rio Grande, único porto marítimo e Capital da província, pelo espanhol Pedro de Cevallos, governador de Buenos Aires 1766, a sede do governo dacapitania teve de ser transferida para Viamão. A cidade conservou-se como sede do governo até 1773. Nesta época, a sede foi transferida para Porto dos Casais (atualPorto Alegre), já que esta localidade tinha um porto, ainda que não marítimo, o que facilitava tanto a proteção do domínio - então ameaçado - português na própria região, quanto à preparação de uma possível retomada de Rio Grande. E o Porto de Viamão (Porto Alegre), de qualquer forma, era por onde saiam todas as mercadorias, dali paraRio Grande e de Rio Grande para todo (o resto) do Brasil. No ano de 1880, Viamão separou-se de Porto Alegre.
Em 1889, com o advento da República e a dissolução das Câmaras Municipais como sede do poder executivo local (municipal), é eleito seu primeiro prefeito, o Tenente-Coronel Tristão José de Fraga, que anteriormente já era o presidente da Câmara Municipal já mencionada. Seu segundo prefeito será o Coronel Felisberto Luiz de Barcellos.
Da importância econômica da região, por ser sede das primeiras estâncias de criação de gado, originou-se o comércio e transporte da carne de gado (charque) e couro paraLaguna e São Paulo. As três rotas comerciais da época iniciavam-se onde é hoje o município de Viamão, conhecida como o Caminho do Viamão. A principal delas, a Estrada Real, saía dali e passava por VacariaLagesCuritibanosPapanduvaRio NegroCampo do TenenteLapaPalmeiraPonta GrossaCastroPiraí do SulJaguariaíva,Itararé, chegando a Sorocaba. Outra rota era através do litoral até Laguna.
A origem provável do nome Viamão é controversa. A versão mais comum é de que a partir dos morros da região e do topo da igreja matriz, é possível se avistar o rio Guaíbae seus cinco rios afluentes: JacuíCaíGravataíTaquari e dos Sinos, que formam uma mão aberta. Daí a frase: "Vi a mão". Conforme alguns, seria originário do nome "ibiamon", que significa "Terras de Ibias" (pássaros). Outros afirmam que seria uma passagem entre montes, o que chamavam de via-monte. E existe ainda o relato de que teria como origem o antigo nome da província de Guimarães, em Portugal: Viamara.[6]

Itapuã (Viamão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Itapuã é um distrito do município de Viamão, no Rio Grande do Sul[1] . Itapuã abrange o extremo sul do município, com praias junto à Lagoa dos Patos e ao rio Guaíba. Graças à políticas de preservação, o distrito conta com um ecossistema rico em espécies nativas, sendo um dos poucos locais onde é possível encontrar vegetação litorânea original, a Mata Atlântica, neste estado[2] . O Parque Estadual de Itapuã é uma das reservas que existem em Itapuã e a única que é aberta a visitação. O parque oferece palestras sobre ecologia e preservação do meio ambiente, trilhas, visitação a duas praias (Praia das Pombas e Praia da Pedreira) e ao Farol de Itapuã. A região na qual o parque se encontra foi palco de parte da Revolução Farroupilha e ainda possui alguns artefatos da guerra, para exposição. Em Itapuã, localiza-se também o Hospital Colônia Itapuã, que foi aberto em 1940, com o objetivo de isolar pessoas portadoras deHanseníase. Atualmente, o hospital abriga ainda poucos pacientes portadores da doença, alguns pacientes psiquiátricos (oriundos do Hospital Psiquiátrico São Pedro) e também funcionários que moram nas dependências do hospital.
Igreja Nossa Senhora dos Navegantes